9 de abril de 2012

Poesia numa monótona Segunda

Hey!

Com uma chuva a noite toda eu não poderia acordar melhor,sem aquele calor excessivo nem nada,sono tranquilo e muito aproveitado,e a escolha do poema de hoje não foi aleatória,ele combina perfeitamente com o clima de hoje,um pouco solitário e triste,acho que daria um bom conto melancólico,e é melhor eu providencia-lo imediatamente antes que essa vontade me escape escorregadia por entre os dedos.

O poema
Um poema como um gole dágua bebido no escuro.
Como um pobre animal palpitando ferido.
Como pequenina moeda de prata perdida para sempre na floresta noturna.
Um poema sem outra angústia que a sua misteriosa condição de poema.
Triste.
Solitário.
Único.
Ferido de mortal beleza.
Mário Quintana

Love,kisses &rockets
da Mandy

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são sempre bem vindos e ajudam no feedback do blog ♥
Comentário com conteúdo de baixo calão ou preconceituoso, serão excluídos.