18 de julho de 2013

O grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald

Hey!

Eu gosto muito de livros clássicos, e quando eu soube sobre o filme O grande Gatsby eu instantaneamente disse que precisava ver o livro antes de ver o filme, apesar de estar cursando a faculdade de Cinema e Audiovisual, eu ainda sou muito apegada aos livros, e como minha visão crítica com os filmes está amadurecendo, eu pretendo continuar avaliando livros e filmes, então fui a caça do livro, e por sorte encontrei uma edição da Penguin Companhia essa edição faz parte dos clássicos da Penguin e a capa é lindíssima, eu comprei e devorei o livro, apesar de muitas coisas terem atrapalhado a leitura. Mas vamos a resenha.


Confesso que foi difícil saber como começar essa resenha, e estou adiando ela há algum tempinho, não porque não gostei do livro, pelo contrário, mas é porque ele mexeu tanto comigo que eu fiquei um tempo para absorver tudo o que se passou e a mensagem que ele nos deixa, a primeira coisa que tenho a dizer é que desenvolvi uma relação de amor e ódio com ele.

A história é narrada por Nick Carraway, um rapaz que está tentando a vida na cidade grande e se muda para West Egg, Long Island, ele vive cercado por grandes mansões e seus ricos e excêntricos moradores, ele apresenta a história de seu verão na década de 1920, uma era marcada pelo jazz e vida extravagante, Nick mostra a relação de amor entre sua prima Daisy e Jay Gatsby, rapaz humilde que encontra na marinha a oportunidade de ser alguém em sua vida medíocre, mas a guerra e a vida acabam separando o casal, e Daisy se casa com o rico e pouco afável Tom Buchanan. Gatsby passa sua vida enriquecendo para poder reconquistar Daisy, o grande amor de sua vida, e acaba comprando uma casa perto da amada, e vê em Nick uma grande oportunidade de se aproximar dela sem chamar muita atenção.

" Em meus anos mais vulneráveis de juventude, meu pai me deu um conselho que jamais esqueci:
- Sempre que tiver vontade de criticar alguém - ele disse -, lembre-se de que ninguém teve as oportunidades que você teve." Página: 1
Nick é um personagem pouco ativo no livro em primeiro momento, apenas narrando coisas que observa dessa vida totalmente oposta a sua, grandes festas, jogos de amor e dinheiro, ostentação e a podridão da sociedade da época, podridão essa que ficava escondida na tapeçaria das mansões. Entre sua narração sobre os acontecimentos da vida de Gatsby, temos uma leve visão da vida paralela de Nick, seu envolvimento amoroso com a bela Jordan e o fato dele ser o único a saber do segredo de todos e ainda permanecer imparcial na hora de julgar suas atitudes. A visão de Nick sobre Gatsby muda conforme o livro passa, e deixa em vários momentos a sensação de dúvida sobre acreditar ou não em todas as coisas que são ditas sobre Jay, mas uma coisa é certa, Nick admirava Gatsby e pode ser considerado o único personagem a realmente se importar com ele e a saber a verdade por trás de toda aquele luxo. Os demais personagens são ao mesmo tempo fúteis e incompletos, que buscam através de festas, joias, e atitudes levianas completar o vazio dentro de si e de suas vidas feitas apenas de aparência.
"Ele sorriu de forma compreensiva - muito mais que compreensiva. Era daqueles raros sorrisos com o ar de eterno consolo, do tipo que você só encontra umas quatro ou cinco vezes na vida. Parecia encarar a eternidade do mundo inteiro por um instante, e então se concentrava em você com uma irresistível tendência a seu favor. Parecia compreendê-lo até o ponto em que você desejava ser compreendido, confiar tanto que você gostaria de confiar em si mesmo, e assegurá-lo de haver transmitido exatamente a impressão que, em seu melhor momento, você desejaria passar. Naquele ponto específico, o sorriso desapareceu - e eu me vi diante de um jovem rude, porém elegante, de pouco mais de trinta anos, cuja elaborada formalidade ao conversar quase incorria no absurdo. Antes mesmo de Gatsby revelar- se, tive a forte impressão de que ele escolhia as palavras com cuidado." Página: 111
Por ter sido escrito há algum tempo a escrita é um pouco metódica, com palavras bem escolhidas na hora de narrar algum acontecimento ou dar qualidade para algo, uma coisa que me incomodou um pouco na narração de Nick é o fato dele se apegar a detalhes muito pequenos e dar uma volta muito grande para contar algo, isso deixou o ritmo do livro um pouco chatinho, mas isso é só a minha opinião. Outra coisa que me deixou um pouco brava com a narração foi o fato das coisas realmente relevantes demorarem muito pra acontecer e se passarem tudo de uma vez, isso deve ter sido provocado pela narração um pouco lenta, mas mesmo assim é gostoso ver tudo acontecer e você ficar de boca aberta com muitas revelações.
"Seus pais eram fazendeiros preguiçosos e fracassados - sua imaginação nunca os reconheceu como pais. A verdade era que Jay Gatsby de West Egg, Long Island, havia saído da própria concepção latônica de si mesmo. Ele era um filho de Deus"
Como é de se imaginar, o livro não tem um final feliz, e eu adorei o final, não fiquei contente com o fim de alguns personagens, mas analizando friamente tudo era o mais óbvio a ser feito, afinal o livro mostra a sociedade e seus membros e não uma história de amor dos sonhos de todos!

Outra coisa interessante sobre o livro é a tal luz verde do Gatsby, a luz que ele sempre vê quando olha para a casa de Daisy, ao meu ver e também pela descrição de Nick, ele tinha esse um simbolo de esperança, a esperança de que tudo ia melhorar dali para frente, que todas as ilusões do passado trariam o tão almejado futuro. Futuro esse que nunca pôde ser alcançado!Tristeza, emoção, risos, raiva e agonia, este livro proporcionou todas essas e muitas outras emoções através de cada palavra.
"Gatsby acreditava na luz verde, no futuro orgástico que, ano após ano, costuma recuar diante de nós. Ontem fomos iludidos, mas não importa - amanhã corremos mais rápido, esticamos nossos braços mais além...
E numa bela manhã...
E assim, avançamos, botes contra a corrente, impelidos incessantemente de volta ao passado." Página: 241
Aproveitem a leitura e não deixem de conferir o filme, logo mais tenho outras resenhas para postar!



ISBN: 9788563560292
Ano: 2011
Páginas: 256
Editora: Penguin-Companhia
Nota: 5/5

Love,kisses & rockets
Créditos das imagens
Fotografia e edição por Amanda Prado | Fontes por DaFont

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são sempre bem vindos e ajudam no feedback do blog ♥
Comentário com conteúdo de baixo calão ou preconceituoso, serão excluídos.