14 de agosto de 2013

O Grande Gatsby (O filme)

Hey!

E ontem eu finalmente assisti ao filme "O Grande Gatsby", depois de uma longa espera para que ele estivesse disponível para download e de ter lido o livro há um tempinho, resenha aqui, eu finalmente pude desfrutar mais uma vez da companhia de Jay Gatsby e de outros personagens. Não farei uma resenha extensa sobre o filme, uma vez que a história já foi contada na resenha do livro, vai ser mais um comentário técnico da minha visão de montagem e tudo mais.


O filme alterou pouquíssima coisa do livro em si, afinal a história não é muito longa, apenas um pouco detalhada demais pelo Nick. Começando por esse personagem que foi muito bem interpretado por Tobey Maguire, apesar de ser um ator charmoso, ele não faz muito o tipo de ator que interpreta personagens muito complexos ou que exigem muitas mudanças de comportamento, ele faz mais o estilo de bom moço (Homem-Aranha) e agora de amigo e secundário, não que seja um personagem sem importância, mas ele precisava ser sensato e ingênuo, e é exatamente isso que Tobey mostra, já Leonardo DiCaprio dá um verdadeiro show como Jay Gatsby, ele foi extamente o Gatsby que eu esperava e imaginava, não apenas fisicamente, mas também em sua personalidade, um pouco melancólica com uma boa dose de loucura e desejos de reviver o passado, mais uma vez o ator prova que não é apenas um rosto bonito, a melhor cena do Gatsby é a quase briga com Tom Buchanan, ele surta completamente e fica por um fio de não matar Tom, fazendo isso apenas com um olhar, a cena é tão intensa que é inevitável não prender a respiração; Tom Buchanan foi outra interpretação que me surpreendeu, no começo achei Joel Edgerton um pouco velho para interpretar o personagem, que na minha cabeça era bem gatão, mas quando comecei a assistir o filme percebi que ele foi a escolha certa, caiu muito bem no papel e não deixou a desejar no charme de Tom, nem mesmo seu caráter de homem falho e bruto, Jordan Baker e Myrtle Wilson, interpretadas por Elizabeth Debicki e Isla Fisher respectivamente, não tem grande destaque, mas não deixam a desejar em duas atuações de personagens tão opostas, já que Jordan é bem mais discreta que Myrtle, que é toda espalhafatosa, e finalmente Daisy Buchanan, interpretada por Carey Mulligan, ficou extremamente perfeita no papel, Daisy tem todo um jeito meigo e fútil de ser, que combina bem com Carey, a personagem é bem fiel ao livro, tão estúpida quanto; posso dizer que todos os atores entraram de cabeça em seus personagens e que todos combinam muito bem com todo o cenário do filme.


O diretor é Baz Luhrmann, o mesmo de Moulain Rouge e Romeu + Julieta, apenas isso já diz muito sobre o filme, uma produção muito boa, cheia de cores vibrantes, chegam a gritar "ESCÂNDALO", objetos de cena bem espalhafatosos e bregas em algumas cenas e outros totalmente neutros e sofisticados em outras, o olhar do diretor captou bem o ambiente criado por F. Scott Fitzgerald, muito mais do que a imaginação permite no livro, foram poucas coisas modificadas realmente do texto original, alguns pequenos detalhes excluidos e outros modificados, como por exemplo a revelação da verdadeira história de Gatsby, que no livro é feita por outra pessoa, no filme o próprio Gatsby revela tudo à Nick aos poucos, e também o modo de Nick nos contar sobre o verão de 1922, ele começa e termina o filme internado num sanatório, fazendo terapia, onde é incentivado a escrever sobre o verão, e ele passa a contar ao médico através de "cartas" escritas a mão até realmente um original de livro datilografado, essa parte eu achei bem interessante, como se fosse uma explicação para como o livro existiria, como se tivesse sido o próprio Nick que o tivesse escrito e não Fitzgerald. 

E para finalizar a trilha sonora mais fodastica que eu já vi em um filme recente, apesar de ser um filme passado na década de 20, ele é bem contemporâneo e com um toque de atualiadade, refletido em sua trilha que conta com Florence And The Machine, Beyonce, Emilie Sandé e até Jay-Z Jack White e muitos outros músicos excelentes, cada um deles contribuiu para dar o clima especial a música e cada música combinou perfeitamente em cada cena do filme, uma coisa que aprendi recentemente é que a música é quem mexe com nossos sentidos e que da à cena o toque especial, e nesse filme é a pura verdade, cada música simplesmente veste o momento em que foi tocada.

Esse filme foi incrível, e não foi nada decepcionante ler o livro e depois ver o filme, as imagens apenas se concretizaram com mais intensidade no filme, o resultado final é maravilhoso.





Trailer


Love,kisses & rockets 
da Mandy 

Classificação:★★★★★

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são sempre bem vindos e ajudam no feedback do blog ♥
Comentário com conteúdo de baixo calão ou preconceituoso, serão excluídos.