20 de junho de 2014

Eleanor & Park

Hey!

Desde que peguei o papel na TBR Jar e li "Eleanor & Park" eu sabia que ia ser uma leitura ótima, e eu não estava enganada. Simplesmente devorei o livro em um dia (e um pouco de uma madrugada), eu não conseguia largar o livro para nada, a história me envolveu de uma maneira que eu não ia conseguir dormir sem saber seu final.




Este livro narra a história e Eleanor, uma garota inteligente, totalmente diferente do normal e grande, e Park um garoto normal, inteligente e que adora HQs, o caminho dos dois se cruza no primeiro dia de aula no ônibus, Park acaba deixando que Eleanor se sente ao seu lado no banco, no começo sem pretensões de uma amizade, mas depois que Eleanor começa a ler as HQs de Park por cima do ombro do mesmo eles desenvolvem um laço de amizade.

Park começa a emprestar suas HQs para ela e começam a conversar sobre tudo que gostam, ele apresenta para ela The Smiths e ela mostra para ele The Beatles; mas apesar dessa amizade de Park, Eleanor sofre bastante na escola, na aula de Ed. Física as garotas gostam bastante de implicar com a garota, a chamando de coisas ofensivas e aprontando com suas roupas e armário. Além disso Eleanor tem que conviver com um padrasto que a odeia e faz de sua vida um inferno, uma mãe submissa e uma casa pequena demais para todos. Já Park vive em uma família normal e estruturada, de pais amorosos, mas também vive um dilema com o pai que muitas vezes exige demais dele.
“Ela pescou um frasco de cima do balcão atrás de Eleanor e pingou uma gota de baunilha atrás de cada uma das orelhas da menina. Eleanor ergueu os ombros sentindo cócegas.
- Por que você sempre faz isso? Fico com cheiro de Moranguinho.
-Faço isso – disse a mãe. – porque é mais barato que perfume, mas o cheiro é tão bom quanto. – Em seguida, passou um pouco de baunilha atrás das próprias orelhas e riu.” Pág 51
Com o passar do tempo ambos começam a sentir coisas que ultrapassam a amizade, descobrem o primeiro amor, e como esse sentimento é forte e capaz de nos transformar, ambos vão descobrir que nessa vida é preciso fazer certas escolhas e muitas vezes essas escolhas podem machucar.

A história desse livro é fofo e triste, e mesmo quando é triste ela ainda sim consegue ser fofa, a autora consegue lidar com vários assuntos com uma leveza incrível, e levar a relação dos dois de uma forma tão delicada, é impossível não ficar encantada pelo Park.


Quando aborda a temática do bullying a autora não se prende apenas ao bullying na escola e sim dentro de casa, que é o que acontece muitas vezes com as pessoas, e o próprio Park fica em parte dividido entre seu amor e o preconceito e como essa relação o afeta, eu achei isso bem bacana de ser trabalhado, mostrando que por mais que dizemos não ter preconceitos, bem lá no fundo temos sim uma ponta de preconceito e é bem complicado de aceitar isso e se livrar desse tipo de sentimento. A narração toda é bem construída tanto nos momentos de dilemas quanto nos momentos fofos, e faz com que a história seja tão verdadeira que quase não da pra perceber que estamos lendo um livro, todos os sentimentos e ações do livro acabam de uma forma ou de outra correspondendo a vida e eu achei isso muito bacana da parte da autora.
“... – Pode me perguntar por que preciso de você – ele sussurrou. Nem precisava sussurrar. No telefone, ali no escuro, bastava mover os lábios e soltar o ar. – Mas não sei. Só sei que preciso... Sinto sua falta, Eleanor. Quero ficar com você o tempo todo. Você é a garota mais inteligente que já conheci, a mais engraçada, e tudo que você faz me surpreende. E gostaria de poder dizer que esses são os motivos pelos quais gosto de você, porque isso me faria parecer um ser humano muito evoluído... Mas acho que tem mais a ver com seu cabelo ruído e suas mãos macias... E com o fato de que você ter cheirinho de bolo de aniversário.” Pág 112
Em todos os capítulos temos a visão de Eleanor e Park do que está acontecendo, mesmo que em terceira pessoa, então não ficamos presos apenas em um ponto de vista, isso é bem interessante e deixa a leitura bem fluida, mas também não chega sempre a ser a visão dele e a dela dos fatos, muitas vezes são momentos distintos que ambos passam ao mesmo tempo quando estão separados. O fim do livro foge do clichê, mas ainda sim deixa uma satisfação no leitor, eu não poderia imaginar um final melhor, um final mais verdadeiro que esse para um livro que foi todo amorzinho.

É um livro totalmente honesto e geek, cheio de referencias e um sarcasmo singular, e acima de tudo trata do primeiro amor e como ele pode quebrar um coração, e de como sentir aquele frio na barriga é bom, e como podemos ser inundados de vários sentimentos ao mesmo tempo e mesmo assim sobreviver.
“ – Não gosto de você, Park – ela confirmou, num tom que, por um segundo, pareceu indicar que era sério mesmo. – Eu... – a voz dela quase desapareceu. – Eu acho que vivo por você. – Ele fechou os olhos e meteu o rosto no travesseiro. – Acho que nem respiro quando não estamos juntos – ela sussurrou. – O que significa que, quando te vejo na segunda de manhã, foram umas sessenta horas sem respirar. Deve ser por isso que sou tão ranzinza e desconto em você. Só o que faço quando estamos separados é pensar em você, e só o que faço quando estamos juntos é entrar em pânico. Porque cada segundo parece ser tão importante. E porque sou tão maluca, não me controlo. Não sou mais minha, sou sua; e se você resolver que não quer mais me ver? Como pode me querer como quero você?” Pág 114
Falando um pouco da edição do livro, a capa é linda de viver, e a editora Novo Século manteve a capa do original, eu achei isso bem bacana mesmo, as páginas amarelas são tudo de bom e a diagramação e espaçamento são ótimos, as letras não são gigantonas nem miudinhas demais o que ajuda na hora de ler, a única coisinha que eu encontrei no livro foram alguns erros de digitação, palavras com letras a mais, letras que acabam saindo junto na hora de uma digitação mais rápida, mas fora isso nenhum outro problema, como eu não li no original não saberia dizer se tem algo mais de errado, para mim essa edição ficou perfeita!

Aproveitem a leitura desse romance incrível! Mal posso esperar para ler o outro livro da autora.

“Naquela manhã, na aula de Inglês, Park notou que o cabelo de Eleanor ficava vermelho clarinho na nuca.” Pág 63
“... Então, deslizou a sede e dedos para dentro da palma da mão dela.
E Eleanor desintegrou-se.” Pág 74

“Segurar a mão de Eleanor era como segurar uma borboleta. Ou um coração a bater. Como segurar algo completo, e completamente vivo.” Pág 74
“ –Eleanor, espere – Park falou. Ela podia ouvir o pai na cozinha e seu coração pulando pelas paredes. – Eleanor, espere. Eu te amo. Eleanor?” Pág 116
“... Talvez Park a paralisara usando magia ninja, seu punho Vulcano, e estava prestes a devora-la.
Isso seria incrível.” Pág 75

“Park olhou para trás com tudo. Eleanor. Sorrindo para ele.
Ela tinha aquele sorriso que a gente vê nos comerciais de creme dental, em que dá para ver quase todos os dentes da pessoa. Ela devia sorris desse jeito o tempo inteiro, Park pensou, pois fazia o rosto dela passar de estranho para lindo. Queria fazê-la sorrir desse jeito mais frequentemente.” Pág 87
“Eleanor não lhe escrevera uma carta.
Era um postal. “Saudações da Terra dos 10.000 Lagos”, dizia na frente. Park virou o cartão e reconheceu a letra rasurada dela. Seu coração foi inundado por letras de músicas. Ele sentou. Sorriu. Sentia como se um peso enorme tivesse sido retirado de seu peito.
Eleanor não lhe escrevera uma carta; era um postal.
Com apenas três palavras.” Pág 325
“ –Eleanor, espere – Park falou. Ela podia ouvir o pai na cozinha e seu coração pulando pelas paredes. – Eleanor, espere. Eu te amo. Eleanor?” Pág 116
Separei algumas ilustrações bem fofa que encontrei na internet.




Love,kisses & rockets

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são sempre bem vindos e ajudam no feedback do blog ♥
Comentário com conteúdo de baixo calão ou preconceituoso, serão excluídos.