14 de setembro de 2015

Histórias em retalhos - Nina B. Prescott

Hey!

Na semana passada eu fiz um post aqui no blog falando sobre a nova autora parceira que temos aqui, e enquanto eu espero o lançamento do livro dela eu li esse e-book que é a coisa mais linda do mundo e tem contos que me fizeram lembrar demais da época que eu sentava e escrevia o dia todo e me deu uma saudade, acho até que me inspirou a voltar a escrever, quem sabe! Mas voltando ao foco, eu trouxe a resenha dele aqui para vocês.


Esse é um livro de contos e poemas da autora então temos várias histórias mas todas tratam de forma bem íntima as relações humanas e sentimentos.

Começamos o livro com o conto "Rosas de cabeceira" e eu já comecei chorando rios e me emocionando com esse conto. É a história de uma mãe e sua filha que tem uma doença e está morrendo, essa mãe sempre lê histórias para a filha e deixa rosas na cabeceira da cama, mas nunca diz "Eu te amo", sua forma de demonstrar esse amor é com as flores, ao longo do conto vamos entendendo os motivos da mãe agir dessa forma. O conto todo é lindo e delicado, a forma com a qual a autora vai narrando tudo que está se passando ali é muito profunda e mexe demais com o leitor, faz a gente pensar sobre a forma com qual demonstramos nossos sentimentos às pessoas que amamos, e que devemos usar essas três palavras sem medo; eu pensei muito sobre esse conto e o quão pouco eu falo "Eu te amo", acho que poderia fazê-lo mais, mas as vezes pensamos que demonstrando isso as pessoas sabem sobre o nosso amor, mas não custa nada reforçar isso vez ou outra.


"As rosas eram a forma de Cindy de dizer o quanto amava a filha, de mostrar que toda vez que colhia uma, estava pensando nela..." pág 11
O segundo conto é "Os filhos do meu pai", ele é feito em forma de carta de uma garota que está presa para seus meio-irmãos, através dessa carta vamos conhecendo como o relacionamento deles foi desenvolvendo, já que os irmãos são frutos de um relacionamento extra-conjugal do pai, e como a garota foi parar na prisão; nessa carta vemos todo o amor fraternal que alguém pode ter por um irmão, a necessidade de cuidar e estar perto para proteger, e também que esse amor pode levar a fazer coisas que parecem certas para estar sempre junto dos entes queridos; eu gostei bastante desse conto por ser tão verdadeiro no sentido da relação dos três, como o amor e o carinho foi conquistado aos poucos, e as várias fases desde o estranhamento e rejeição, até o amor incondicional, embora eu não tenha irmãos eu imagino que seja algo bem forte esse tipo de laço.
"Espero com muito fervor que esta carta chegue as suas mãos, queridos irmãos. Como também espero que me perdoem, que continuem a me amar..." pág 31
O terceiro conto "Querido Louis" também é feito em forma de cartas, mas dessa vez trocadas entre dois amigos, Mia e Louis, acompanhamos um pouco da relação dos dois e como ela foi modificada com o tempo e a separação, um amor não correspondido e o medo de expor os sentimentos mais profundos guardados a sete chaves pelo coração. Esse conto é muito bonito pela delicadeza da relação deles, é tão real que me senti sendo a personagem, e quem nunca teve um amor por algum amigo? E ao mesmo tempo é triste, porque você sente o tempo todo como vai ser o fim daquilo tudo, mas ainda sim é comovente e cativante, o alivio da personagem em por tudo aquilo para fora é o alivio do leitor, e isso deixou o conto muito íntimo para mim.
"Nos últimos dias li um livro intrigante que me abriu os olhos. Uma frase me instigou: Você não finalizou as suas paixões. De alguma forma esta frase se incrustou em minha mente." pág 33

O quarto conto é "O inverno de Aurora" que narra a história de Aurora, uma personagem sozinha que depois de perder os pais, passa a rever a beleza das pequenas coisas e como o silêncio as vezes é prazeroso na vida, hábitos que com a correria da vida adulta ela havia perdido, mas que retornam com força e ajudam a passar por essa nova fase da sua vida. Acredito que esse seja um dos meus contos favoritos do livro, ele é lindo, emocionante, triste e encantador, a forma que a autora narra a história de Aurora, com lembranças que vão guiando ela pelo caminho até o fim da narrativa é lindo demais, você consegue sentir a personagem como alguém conhecido, e mesmo que não tenha passado pela mesma experiencia que ela, você sabe de alguma forma que a sensação é exatamente aquela.
"Agora ela costumava deitar-se na cama em dias de domingo, olhar para o céu nublado e contemplá-lo. Quieta. No sublime silêncio." pág 49
Além dos contos a autora também escreveu alguns poemas para essa coletânea, e bom, não entendo muito de poemas, mas posso dizer que adorei todos eles, a carga emocional deles é muito forte e todos são extremamente lindos e comoventes, acho que eles deram o toque especial do livro, a cereja no topo do bolo. Temos também uma playlist que a autora ouviu enquanto escrevia alguns dos contos, ainda não ouvi todas as músicas, mas é uma playlist linda de viver!


A diagramação do livro também é linda e delicada, todos os detalhes desde a escolha da fonte nos títulos, as ilustrações no começo de cada conto, tudo deixa o livro ainda mais encantador e fofo. Simplesmente amei a leitura desse livro, que foi uma leitura muito fluida mas muito emocionante, e acho que por isso eu demorei para fazer essa resenha, foi um período longo digerindo o livro e escolhendo as palavras certas para fazer jus a uma leitura tão maravilhosa.


ISBN: B0141GVH5A
Ano: 2015
Páginas: 52
Editora: Amazon
Nota: 5/5
Compre o e-book: Amazon

Sobre a autora
Nina B. Prescott é o pseudônimo de uma acadêmica autora de 19 anos. Leitora e escritora ávida, cria histórias desde 2013, tem doze livros escritos e está trabalhando em mais dois. Nina escreveu e confeccionou artesanalmente seu primeiro livro aos dez anos. O Rapto, obra intitulada da autora, era baseado no filme Chamas da Vingança que chamou muito sua atenção quando garotinha. No entanto já nessa época Nina era acometida pelo Déficit de Atenção e não lia muitos romances como a maioria, pois não conseguia se concentrar ou entender. Seu contato com a literatura começou realmente no último ano da escola, 2013, após um discurso motivador de seu professor de Redação Enem. A partir daí, com afinco, ela iniciou um processo novo de escrita e leitura. Nina precisava ampliar seus horizontes visto que o que mais gostava de ler era o dicionário Aurélio e o Landmark.

Nina assinou contrato com uma editora e logo fará publicação de seu livro físico “A Estranha Mente de Seth”. Mas enquanto isso não acontece, ela decidiu inserir algumas de suas histórias mais intrínsecas para que as pessoas conheçam seu trabalho. Histórias em Retalhos é o seu livro de estreia.

Love,kisses & rockets
Créditos das imagens
Fotografia e edição por Amanda Prado

4 comentários:

  1. Ai meu Deus! *-* Que resenha linda, Amanda! OMG. Estou tão feliz por todas essas emoções que o livro causou em você! Estou sem palavras, realmente. Estou surtando muito aqui, sorrindo e cantando de felicidade. Gosto quando as pessoas leem minhas histórias e gosto ainda mais quando elas gostam e quando tudo que eu quis passar com o livro é digerido! Fico tão feliz. :D Esse texto que tu fez é lindo! Estou muito emocionada! :)
    Amei demais!
    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nina,
      Obrigada pelo carinho!!! Não teve como não amar as histórias que você escreveu, mesmo, fiquei completamente encantada e mal posso esperar pelo próximo livro. *---------*
      Beijos

      Excluir
  2. Simplesmente perfeito tudo que está escrito, Nina é minha prima e sempre está me surpreendendo com a evolução e criatividades nos livros e contos que faz...acompanho ela escrevendo se eu disser um "Ai" ela me manda calar a boca porque estou desconcentrando ela kkkk...incrével que o som ligado não atrapalha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luis,
      Sua prima tem muito talento e consegue cativar as pessoas demais, espero que ela tenha muito sucesso com isso, porque ela tem um dom!!!
      Beijos

      Excluir

Comentários são sempre bem vindos e ajudam no feedback do blog ♥
Comentário com conteúdo de baixo calão ou preconceituoso, serão excluídos.