19 de outubro de 2015

Abraçando minha bad!


Há um tempo atrás eu vi um vídeo no canal da Jout Jout, sobre como é bom dramatizar a bad e sentir bastante ela, e como isso ajuda a superá-la; na época que vi o vídeo achei muito interessante tudo o que ela falava nele e concordei 100% com tudo, mas como saber se isso funcionaria para mim? Fazia um bom tempo que eu não tinha uma bad, pelo menos até chegar Outubro.

Outubro é o meu mês favorito do ano, digo mês porque tem Halloween, que eu adoro, e é o mês do meu aniversário e aniversário de namoro, então ele tem tudo para ser um mês adorável... Mas nem sempre é assim, apesar de amar muito esse mês, ele também é meu mês odiado, Outubro vem acompanhado do meu companheiro “querido” inferno astral, e é ai que as coisas começam a desandar de alguma forma. Desde que fui na psicóloga, comecei a trabalhar melhor a forma com a qual lido com meus problemas, avaliar se eles são grandes ou não, e se eles são reais, isso é o mais importante; no vídeo Jout Jout fala muito sobre isso; até então tinha lidado bem com minha bad, mas na semana passada eu fui incapaz disso, então resolvi lidar com ela de outra forma, muito eficaz.

Quero ressaltar aqui que bad seria um conjunto de fatores, problemas reais ou inventados pela cabeça perturbada pelo inferno astral, com um bônus da TPM, tudo para deixar a bad mais dramática.  E eu resolvi que não iria segurar ela, ou amenizar o máximo possível dela, então eu abracei minha bad e lidei com ela da forma mais dramática possível, chorei lendo um livro que nem era tão triste, mas tinha seus pontos mais dramáticos, ouvi músicas melosas e tristes, aquelas que sempre ouço na fossa, e chorei muito, chorei no meu livro, chorei no teclado enquanto ouvia a música, assisti novamente o vídeo da Jout Jout e chorei também... Ou seja, toda aquela água de bad que estava guardada dentro de mim eu coloquei para fora, e claro filosofei muito no twitter, porque desabafar no twitter faz parte de lidar com a bad, tive pensamentos dos mais variados de coisas que faria com esses problemas, os reais e o inventados, mesmo sabendo que depois que a bad passasse eu não iria fazer nada daquilo; fiz tudo da forma mais dramática que consegui durante o dia todo, e fui dormir com a bad ao meu lado.

Pronto, a mágica aconteceu e no dia seguinte acordei bem melhor, com vontade de escrever esse texto e de ser felizinha e aproveitar as coisas gostosinhas da vida, o momento de bad havia sido abraçado e superado com sucesso, e mesmo que meu inferno astral dure até o fim do mês, esse momento de tirar tudo de ruim que tinha dentro de mim, aliviou e muito meu espírito!! Então a conclusão que cheguei foi, não ignore a sua bad, sinta ela, abrace-a, lide com ela de forma bem dramática, isso também faz um bem enorme; e para quem estiver passando por isso, leia esse texto, veja o vídeo e viva sua bad!

Às vezes você realmente precisa abraçar a bad e depois seguir em frente!!!!

Love,kisses & rockets

2 comentários:

  1. Amanda eu amei seu texto, amei a indicação do vídeo, também estou numa bad, mas a minha vem se arrastando desde maio, quando minha vida começou a desandar, tem dias que a bad está mais forte (tipo hoje), tem dias que ela está pequeninha que nem sinto ela, só que a noite ela sempre cresce..... Um dia vou sair dela, tenho certeza, mas enquanto isto eu vou vivendo com ela. Parabéns pelo texto, eu gostei, me identifiquei... Ah nem sei mais o que falar... Amei o post.... ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mayla, que bom que gostou, fiquei bem feliz em saber que de alguma forma te ajudei e te fiz identificar!!! O vídeo é ótimo, vários dos vídeos dela são ótimos para refletir sobre a vida e atitudes, eu recomendo altamente... Espero que sua bad melhore logo, ela vai melhorar sim, cada um tem seu tempo né? O importante é você continuar sempre em frente, acho que tudo na vida é crescimento, inclusive as bads!!!!
      Beijos ♥

      Excluir

Comentários são sempre bem vindos e ajudam no feedback do blog ♥
Comentário com conteúdo de baixo calão ou preconceituoso, serão excluídos.