29 de março de 2016

Evereste, 2015.

Oi gente! 

De volta com resenha de filme hoje, "Evereste" foi um dos últimos que assisti no cinema. Muitas histórias pairam sobre as escaladas ao monte e dessa vez, um caso de 1996 nos é relatado. Com nomes conhecidos como Jason Clarke, Jake Gyllenhaal e Keira Knightley o longa nos deixa tensionados em grande parte e gritando com alguns personagens teimosos.


No ano de 1996, dois grupos de alpinistas liderados por Rob (Jason Clarke) e Scott (Jake Gyllenhaal) se unem na tentativa de escalar o monte Everest, mas uma grande nevasca coloca a vida de todos em risco. Com a esposa grávida (Keira Knightley), Rob é menos aventureiro que Scott, se preocupando com a segurança dos membros de sua equipe. Ele lutará bastante para tentar proteger a todos.
E quando digo gritar é porque sou muito medrosa mesmo, e gostaria de entender o porquê pessoas radicais sempre tem que arriscar suas vidas e chegar ao limite. De início, somos apresentados a Rob, o líder da escalada. Ele parece muito experiente e concentrado, diferente do Scott. Porém, a esposa dele está grávida e SÉRIO, se sua mulher está para ter um baby porque diabos você vai se enfiar em um monte perigoso? Mas, beleza, os motivos do Rob são muito bem expostos no filme e se tem alguém consciente nessa bagaça toda é ele. Pois bem, com a equipe montada, eles partem para o Evereste e vão nos explicando que existem quatro paradas de acampamento. O experiente Beck também faz parte da equipe e eu nem preciso dizer que acontece uma tempestade daquelas e corpos vão caindo da montanha como papel né?


Percebi que o filme teve muitas críticas negativas: em relação a um fraco roteiro ( o que eu discordo, só a angústia da esposa do Rob basta), ao excesso de personagens (aqui concordo, muitas cenas apresentando muitas pessoas, talvez para nos impactar com quem morre e quem vive) e até ao efeito 3D. Sinceramente, o filme pode parecer bastante depressivo sim, porque ao final tudo o que alguns sobreviventes podem se agarrar é a esperança. Mas acho que ele cumpre o papel a que se propõe, principalmente em relação a montanha. É de assustar! Lembram do filme Into the wild - "Na natureza selvagem" que resenhei aqui tem um tempo? Conta história de um jovem que larga tudo e vai viver no limite e foi baseado em um livro do jornalista Jon Krakauer. O curioso é que Jon estava nos eventos no Evereste em 1996 e esse longa é a adaptação de mais uma obra sua "No ar rarefeito". Encontrei um trecho do livro que foi basicamente o que passou pela minha cabeça assistindo ao filme:
"Mais tarde - depois que foram localizados seis corpos, depois que a busca de outros dois foi abandonada, depois que os médicos amputaram a mão direita de Beck Weathers meu companheiro de equipe - as pessoas se perguntariam por que motivo, se o tempo começara a piorar, os alpinistas não haviam prestado atenção aos sinais. Por que os veteranos guias do Himalaia continuaram subindo e conduzindo um bando de amadores relativamente inexperientes - que pagaram até 65 mil dólares para chegar em segurança ao Everest - rumo a uma evidente armadilha mortal?"
critica-do-filme-evereste-cena

Deixo o trailer e beijos gelados (brincadeira! hahahahaha)

PS: Ao final tem as fotos reais de cada um da equipe e o que aconteceu com eles, como bom filme baseado em fatos reais.

Lançamento: 24 de setembro de 2015 (2h2min)
Dirigido por: Baltasar Kormákur
Com : Jason Clarke, Jake Gyllenhaal, Josh Brolin mais
Gênero: Aventura
Nacionalidade: Reino Unido , EUA , Islândia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são sempre bem vindos e ajudam no feedback do blog ♥
Comentário com conteúdo de baixo calão ou preconceituoso, serão excluídos.