26 de dezembro de 2016

The OA

Hey!

Hoje vou falar para vocês sobre mais uma série da Netflix que estreou esse mês!!


Uma jovem cega desaparece por 7 anos, agora ela está de volta a sua cidade e de forma misteriosa e milagrosa voltou a enxergar; na tentativa de explicar o que houve com ela, a jovem Prairie diz que nunca realmente partiu, mas que estava em um plano alternativo e invisível aos olhos, e agora precisa voltar a esse lugar e ajudar seus amigos que também estavam presos. Com a ajuda de 4 jovens e uma professora solitária, OA conta sua história e tenta voltar ao seu antigo cativeiro e libertar seus companheiros.


A primeira coisa que quero falar sobre essa série é: Vá assistir com a mente aberta. No começo a série pode parecer um pouco nonsense, mas depois vamos entrando na história e conhecendo mais sobre a história da personagens e os outros envolvidos e vamos começando a entender as coisas, mas apenas começando pois a série tem muita coisa, que em 8 episódios não vamos descobrir tudo, e algumas coisas tem uma explicação meio aleatória, tipo a explicação do porque OA.

Eu gosto muito do tema mistério, e a série tem bastante disso, mistérios envolvendo o desaparecimento de Prairie, sobre o lugar que ela é mantida, essa dimensão paralela da qual ela fala e outras coisas, que vamos descobrindo aos poucos ao longo dos episódios, o desenvolvimento da série pode parecer um pouco arrastado, mas isso ajuda a digerir todas as informações que recebemos, que não são poucas e nem fáceis de entender e aceitar. A história é bem intrigante para quem gosta de séries diferentes e com muitas teorias e que exigem bastante atenção e especulação sobre o que está acontecendo. A fotografia da série é bem bonita e o clima lembra um pouco a série Les Revenants, especialmente a paleta de cores da maior parte da série, e os lugares combinam bem com a história, o único ambiente que destoa um pouco é onde OA vai em suas EQM (experiência de quase morte), mas acho que a intenção era realmente deixar muito explicito e marcado qual parte era nossa dimensão e qual parte não era. 

A trilha sonora também é muito interessante, as músicas escolhidas, embora poucas, mas fazem muita diferença na narrativa e são mostradas em momentos bem interessantes da história. Todos os personagens tem história bem densas, especialmente os personagens que OA encontra no bairro em que mora, adolescentes tendo que lidar com pressão em casa, na escola e da sociedade, problemas com gênero, bullying, drogas, solidão, todo o conjunto funciona muito bem junto. Gostaria de fazer apenas um apontamento aleatório aqui, no episódio 4 um personagen secundário está vendo TV e nela está passando o primeiro episódio de Stranger Things, é algo bem sutil mas quero deixar registrado aqui o quanto a Netflix é foda.

Gostei muito dessa série, achei que ela cumpre sua proposta em entreter com algo diferente e que pode causar um pouco de estranhamento no começo, mas depois vamos nos acostumando com as coisas e começando a entender tudo que está se passando; tecnicamente falando, a Netflix arrasou em questão de elenco, produção, roteiro, apesar de algumas falhas que podem ser corrigidas na segunda temporada. Pelo que já vi por ai uma segunda temporada pode ser esperada, mas a série funciona como temporada única, pois encerra um ciclo de OA com as pessoas de Crestwood, e o ponto que se encerra, deixa a entender que podemos esperar mais coisas a serem resolvidas na próxima temporada, porém não com alguns dos personagens que conhecemos nessa temporada. É uma série que divide opiniões, tanto da crítica quanto do público, o mais sensato a ser feito é assistir e tirar as próprias conclusões sem ler muito a respeito da série, e lembre-se: Assista com a mente aberta. 











Love,kisses & rockets
Créditos das imagens
Google e Tumblr

4 comentários:

  1. Achei super interessante essa série e fiquei com gostinho de quero mais!... Principalmente com respeito ao Hap...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Veri,
      Pois é, eu também fiquei com gostinho de quero mais e quero saber mesmo o que houve com o Hap, ao mesmo tempo que temos raiva dele como personagem em relação ao tratamento com os outros, ele ajudou a OA a descobrir mais sobre os mundos paralelos, então quero saber mais sobre ele e seu final!!
      Beijos

      Excluir
  2. Achei muito bom o piloto, vou continuar vendo (aliás, logo após comentar aqui, rsrs), e acho que não só a fotografia remete a Les Revenants, tem uma cena e todo um contexto muito próximos... e no piloto, mesmo, vi a Eleven na menininha loira, com força :) o narizinho e tudo, achei bem clara a referência. Enfim, o algoritmo me pegou de novo, vou ver tudo. Hehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Glauco,
      Ebaaa!!!! Quero saber o que achou da série como um todo depois, (já já vou lá no whats te perguntar). Sim, depois de um tempo você vê que tem bastante coisa de Les Revenants (e The Returned que é a versão da Netflix). Sim *-* ai aquela menina é uma fofa, vontade de levar ela e a Eleven para a casa kkkkk
      Espero que goste da série!!
      Beijos

      Excluir

Comentários são sempre bem vindos e ajudam no feedback do blog ♥
Comentário com conteúdo de baixo calão ou preconceituoso, serão excluídos.